POR OUTRO LADO...

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

KODO, OSESP...ISSO AQUI TÁ FICANDO BOOOMMM



Existe uma infinidade de categorias de gente chata. Eu, por exemplo, incluo-me em pelo menos duas delas, a dos ex-fumantes e dos ex-sedentários, povo frequentemente insuportável por sua capacidade de aconselhar os outros sobre como levar uma vida saudável. Verdadeiras malas.

Haverá quem afirme que isso é uma piada, que eu estou inscrito em muitas outras, como a do pedantismo e da arrogancia, o que é uma sacanagem contra a minha pessoa, que entre outras muitas virtudes está a de cultivar uma espetacular humildade. Como tem gente invejosa nesse mundo, meu deus...

Mas porque foi que eu começei esse post por ai mesmo? ah, tá, pelo seguinte: tem um tipo de chato que e insuportavel, aquele cara que foi ver o espetáculo que voce ouviu falar e não deu muita bola.

O miserável faz questão de te contar TUDO o que viu, sem economizar nos efeitos dramáticos para narrar a emoção única que ele pode compartilhar e voce não porque escolheu ir ao shopping assistir mais um filme americano do qual não se lembrará 24 horas depois.

Agora mesmo deve ter algumas dessas almas sebosas contando pra todo mundo sobre a passagem pela Bahia do Kodo - Percussão do Japão. Fizeram duas apresentações em Salvador, no Teatro Castro Alves (anteontem) e na Concha Acústica (ontem), nessa última com direito a uma majestosa canja do Olodum.

Se eu não tivesse ido na Concha ver os tambores dos japas juro que encheria um sujeito desse de porrada. É crueldade demais, inadmissível.





Fico a imaginar quantas pessoas percutirão com suas próprias cabeças na parede depois de saber que por R$20,00 (R$10,00 a meia) assistiriam um espetáculo arrebatador como aquele. Os sons que aqueles caras e aquelas moças fazem é inacreditáel, emociona de arrepiar e fazer chorar.






Desde singelos pratos e flautas, do monumental gongo, até os poderosos
taikos, tambores belissimos e de tudo quanto é tamanho, o espetáculo tira o folego do começo ao fim. Sons percussivos intimamente ligados aos ritos japoneses de religião, meditação e exaltação, em que a expressão corporal de seus músicos durante a execução é fundamental, principalmente nos tambores acima de 1,5 metro de diametro. Rostos oras compenetrados, oras sorridentes, corpos belíssimos e um entusiasmo contagiante, tão contagiante como o primeiro ressoar daquele tambor gigantesco (foto abaixo), tocado por dois homens, provocando manifestações de espanto e deslumbramento na platéia da velha Concha. Um autêntico tapa no peito.




Lindo, inesquecível. Seguirá para São Paulo, Rio de Janeiro e outras poucas cidades brasileiras. O roteiro é esse aqui.


Ao final desse texto veja um video pra entender a importancia desse grupo e a deferencia de passar por Salvador, tocando junto com o Olodum no final da apresentação e levando ao delírio as pouco mais de 2 mil (!!) pessoas que pagaram (baratissimo) para ver e que sairam dali com a deliciosa sensação de que viveram momentos mágicos naquela histórica Concha Acúctica do TCA.

Coloquei o video do Kodo no final para antes poder falar um pouquinho da apresentação que a Orquestra Sinfonica do Estado de São Paulo (OSESP) fará domingo as 17h, também na Concha, sob a regencia de John Neschling. Igualmente imperdível, cabeção. E digratis, basta retirar o convite na bilhetria do TCA (desde ontem).

Voce não foi ver o Kodo, paciencia, também não precisa pintar o corpo de amarelo e preto e deitar na rua disfarçado de quebra-molas, né? Você tem uma vida inteira pra se arrepender de não te-los visto, pra que tanta angústia assim, meu rei? Mas não precisa vacilar duas vezes na mesma semana, mesmo porque não é sempre que temos aqui na Bahia a oportunidade de assistir espetáculos do nível desses.

Como diria meu amigo Franciel Diamantino, foi esse o seguinte passado ontem aqui na velha Cidade da Bahia. Fui, não sem antes antes informar a quem interessar possa que nada tenho contra os acentos circunflexos, esse maldito teclado é que resolveu declarar-se "desconfigurado". Foda-se ele.



segunda-feira, 27 de outubro de 2008

ABRE O OLHO, FECHA A BOCA E ACELERA, COMPANHEIRO

Muito bem, eleições encerradas, prefeitos eleitos (ou reeleitos), derrotados tentando entender as razões do insucesso, imprensa divulgando interpretações sobre os números apurados de acordo com suas conveniências político-econômicas. Mais do mesmo que rola a cada dois anos, sem novidades.

E para não dizer que não falei de flores e espinhos, cá estou eu a pôr minhas delicadas mãos à palmatória, diante dos resultados de São Paulo e Salvador. Essa minha peneira de jogo de búzios segue aprontando das suas pra cima da minha pessoa, da vez anterior foi no Palmeiras 3X0 Vitória, em pleno Palestra Itália. A miserável revelava com irresistível eloquência que o glorioso rubro-negro baiano sairia vencedor do confronto. E eu fui na dela, como agora.

Quando aprenderei a teimar sem apostar, dio mio...

Sobre Salvador e Sampa quero dizer que:

1) Os prefeitos que disputaram reeleições se deram muitíssimo bem com o clima de prosperidade do país. João Henrique foi um deles, a despeito de ter sido considerado o pior prefeito do Brasil ano passado e de ter iniciado a campanha com uma taxa formidável de rejeição. Venceu o pragmatismo do PMDB, o eleitorado iletrado de JH somado ao de ACM Neto, a ausência de Lula e a falta de carisma de Pinheiro.

2) O PMDB saiu caríssimo dessas eleições. Virou a mais cobiçada noiva para 2010 e na Bahia sinalizou uma provável aliança com o DEM para o governo do estado. Wagner terá trabalho para manter o povo peemedebista ao seu lado, a menos que queira pagar o preço político exigido por Gedel, salgadíssimo.

3) Geddel não ocupa o espaço que ocupa à toa. É ambicioso, trabalha incansavelmente e vende com facilidade a imagem de homem dinâmico e realizador. Usou JH com espantosa habilidade ao fazê-lo classificar o governador Wagner de "lerdo". Esse "título", colado com as fartas imagens de Wagner com a boca aberta, vão fazer furor nas eleições de 2010.

4) Salvador estava permeável para o discurso "Salvador-Bahia-Brasil", a ponto de levar Pinheiro para o segundo turno. A ausência de Lula e a postura vacilante e pouco entusiasmadora do deputado foram determinantes para essa derrota do PT em Salvador.

5) Popularidade não se transmite por osmose. Para eleger seu sucessor, Lula terá que se licensiar da presidência para cair de boca na campanha presidencial de 2010, provavelmente carregando Dilma Roussef nas costas, que será uma carga mais ou menos pesada em função dos efeitos da crise econômica mundial.

6) Wagner vai ter que ralar muito pra reeleger-se governador em 2010 sem o apoio do PMDB. Melhor tratar de reformar corajosamente o secretariado agora para produzir resultados visíveis em 2010. Se depender dos "companheiros" empoleirados em pastas estratégicas, o governador petista chegará mortinho da silva no pleito. Faltam obras de grande valor simbólico ao seu governo, ainda está difícil defender sua gestão.

7) A Marta não desce do scarpin nem para defender a própria pele. Contou-me ontem um amigo jornalista de São Paulo que a dona da Daslu, em conversa com sua assessoria de imprensa, questionou a candidata petista da seguinte forma: "A Marta é muito arrogante para ser eleita outra vez". Meu deus...

8) Tô de saco cheio da bipolaridade desse blog aqui. Ou é futebol ou é política, arre! Vou voltar às origens, eu e meus parcos leitores éramos mais felizes.


segunda-feira, 20 de outubro de 2008

PERPLEXIDADE EM SAMPA, FESTA EM SALVADOR

A ação do GATE no sequestro da menina Eloá teve clara interferência política no sentido de evitar mortes a qualquer custo. Só isso explica a ação paralizante de um comando policial altamente especializado e eficaz como esse.

Fossem outras as cirunstâncias políticas, o sequestrador teria sido facilmente alvejado por um atirador de elite. Prevaleceu a "prudência" do Governador Serra diante da greve dos policiais civis e da proximidade do segundo turno. Deu no que deu, a menina morta, a outra baleada e o sequestrador vivinho da silva.

Um resultado que entrará para a história policial de São Paulo como o mais covarde ato tomado por um dirigente político, interferindo de maneira desastrada numa ação para qual o GATE teria total condição de resolver com um único tiro.

Espero sinceramente que esse seja o primeiro dos dois momentos de perplexidade possíveis para a população paulistana nessa semana.

O outro seria uma espetacular reviravolta na campanha eleitoral, com a vitória de Marta Suplicy sobre Gilberto Kassab. São Paulo não merece um dirigente municipal de tão medíocre envergadura. Recuso-me a creditar que a população paulistana reconduzirá Kassab ao Banespinha.

Os números de Kassab segundo o Ibope são declinantes e os da Marta, ascendentes. Mas a imprensa paulista já dá como certa a eleição do Demo, o que não seria uma novidade, tratando-se do PT e de Marta Suplicy os alvos a serem batidos.

Percebo nos subterrâneos da capital de São Paulo uma forte e silenciosa movimentação de opiniões, dando à candidata petista chances reais de vitória. Como a população já se acostumou, em todo o país, a desconfiar dos institutos de pesquisa, acho verdadeiramente que a perplexidade vai fazer folia em Sampa, mais uma vez. E dessa vez por um ótimo motivo.

Sou Marta por 51% a 49% dos votos válidos.

Assim como cravo Pinheiro em Salvador com o placar de 54% a 46%.

Quem tiver peito, deixe aqui seu prognóstico e vamos ver domingo à noite quem estava mais perto do resultado final.


quarta-feira, 15 de outubro de 2008

DUAS BOAS SURPRESAS, UMA ESPERANÇA

As primeiras aparições de Pinheiro no programa de TV do segundo turno demonstram um avanço importante em relação ao primeiro.

Finalmente Pinheiro fala voltado para a câmera e surpreendentemente descontraído, demonstrando domínio e autoconfiança. Ufa!

Jaques Wagner resolveu ir pro pau mesmo, a despeito das ameaças do PMDB local. Botou a cara na tela para pedir votos pro companheiro e deve rezar noite e dia para dar certo, uma vitória de JH seria um dano sério para as pretensões de Wagner em 2010 e um aumento expressivo no cacife de Geddel Vieira Lima.

Seja lá o que aconteça, Wagner melhora muito a sua imagem perante petistas e simpatizantes, tava um desconforto só essa aparência de covardia diante das intimidações públicas do PMDB.



Já em Sampa a coisa segue embolada, com Kassab à frente. Mas...


É, tem um mas no ar. Ele apareceu hoje, após a divulgação da pesquisa Ibope/Globo/Estadão coletada dias 13 e 14, ou seja, depois do debate da Band no domingo e do oblíquo questionamento sobre a orientação sexual do Prefeito de São Paulo no programa da candidata petista.

A diferença pró-Kassab, que segundo o Datafolha era de 17 pp dias atrás, é de 12 pp segundo o Ibope.

Cabem aí algumas perguntas, se confirmado o avanço de Marta sobre o Kassab (no bom sentido, até mesmo porque ele...ah, deixa pra lá).

A principal delas é: a peçonha petista, reprovável sob qualquer ponto de vista, pode ter contribuído para causar danos à imagem de bom-moço do Kassab, demonstrando o acerto da estratégia petista no segundo turno de pô-lo nu diante da sociedade paulistana? Até onde vai o preconceito contra ele (se há) e contra ela (há, com certeza!)?

Mas há outras. O massacre de Marta sobre o Kassab durante o debate do último domingo, evidenciando a enorme assimetria política e intelectual entre ambos, passou despercebido? Os números apurados pelo Ibope não apontam uma possível percepção popular de que Marta é melhor candidata que Kassab? Ou, no mínimo , muito mais inteligente e corajosa que seu adversário?

São Paulo é uma cidade que tem uma classe média numerosa e politicamente hegemônica. O PT tem histórica dificuldade de se comunicar com ela, até mesmo porque seu projeto pouco contempla as aspirações futuras e as necessidades imediatas desse segmento. Que pode fazer a campanha petista para lançar pontes nessa direção, a tempo de salvar a candidatura da Tia Marta? A exploração de velhos preconceitos é a única alternativa?

Enfim, são dúvidas movidas pela esperança do blogueiro de que São Paulo se dê conta (a tempo) do desastre anunciado que é a reeleição de Gilberto Kassab, tão maléfica quanto a reeleição de João Henrique Carneiro em Salvador.

Em Salvador parece que os orixás não permitirão esse desatino. Mas e em Sampa, meu??


terça-feira, 14 de outubro de 2008

NÃO, QUERIDA, NÃO VALE TUDO

Repercute ainda a estúpida insinuação feita pela equipe de marqueteiros da candidata Marta Suplicy durante o programa de TV, no último final de semana, sobre a orientação sexual de Gilberto Kassab.

Graças aos gênios do marketing político à serviço de M.Suplicy, os lucros obtidos com o banho que ela deu no modesto adversário durante o debate da TV Bandeirantes foram para o ralo e dificilmente será possivel reverter os danos causados.A menos que a militância petista consiga operar um verdadeiro milagre na reta de chegada. Impossível, não, mas muito improvável.

Logo a Marta, que há anos é porta-estandarte da causa GLTBS. Uma lástima.

Que o drama do PT paulistano sirva ao menos para que esse partido, na Bahia, tenha mais cuidado com as decisões tomadas em nome do velho lema "os fins justificam os meios". Erros grosseiros, como aquele de editar imagens para dar a impressão que Lula participou ao vivo do comício do Farol da Barra, podem custar caríssimo a Pinheiro.

Pelos poderes de Thor, o PT tem argumentos de sobra para demolir as faces de bons-moços de JH e de Kassab, expondo com clareza e inteligência o projeto político associado a eles. O debate, portanto, é e precisa ser político, sem concessões a grosseria e à esperteza dos otários.

Faltando 12 dias para a eleição, vai ser difícil dar a volta por cima em São Paulo, repito. Em Salvador, a disputa está pau-a-pau mas Pinheiro dificilmente perderá essa parada para o canastrão João Henrique.

A menos que algum marqueteiro daqui resolva cometer um lance " genial", como o dos paulistanos, né?


quarta-feira, 8 de outubro de 2008

SEGUNDO TURNO

Muito bem, segundo turno dia 26, novas emoções pela proa. Pela popa, lições importantes.

1) Pinheiro passou pelo primeiro turno carregado nos braços de sua militância e pela predisposição popular em consagrar o discurso Salvador-Bahia-Brasil, principalmente na reta de chegada. Mas nem essa militância será capaz de fazê-lo Prefeito da Cidade da Bahia se a esquizofrênica questão da imagem do Lula não for claramente resolvida. As estratégias derivadas da presença ou da ausência do presidente são muito, mas muito diferentes mesmo. E precisam ser claramente definidas e implantadas, para que a população não sinta que há algo de fake no ar. O PMDB é -perdôe, por favor, a vulgaridade do termo- puta velhíssima. Vai destruir Pinheiro se o petista insistir em posar como amante do metalúrgico, aquele que não pode ser visto de mãos dadas, praticando adultério político. Ó qralhos, ou é marido ou não é nada, em termos de informação publicitária baseada na imagem do cara. A definição não tarda, é o que diz essa matéria da Folha publicada hoje.

2) O apoio de Ioiozinho Neto poderá custar caro ao midiático João Henrique. A rejeição ao mini-porradeiro virtual é alta, mesmo entre os descamisados e pés-descalços da periferia de Salvador. Por outro lado, é prato farto para os marqueteiros de Pinheiro, que certamente irão explorá-lo ao máximo, para desnudar o ânimo oportunista e sem critérios de JH para ser reeleito.

3) A disputa em Salvador será apertada mas Pinheiro deverá vencê-la. Folgadamente, se Lula vier apoiá-lo, o que me parece mais que improvável.

4) Mesmo que o impondarável aconteça e Lula resolva dar um pé nos peemedebistas, o debate no segundo turno sempre é mais qualificado. As propostas de Pinheiro precisam ser apresentadas sob o manto da capacidade gerencial e pela volta do planejamento no Palácio Thomé de Souza. Mais: deve-se jogar no erro do adversário, que é confuso mesmo, Wagner tem razão.

5) Alianças pela governabilidade com o PMDB são caríssimas. Tanto quanto imprescindíveis e Lula sabe disso, foi dele a decisão de não reconhecer as faturas apresentadas em 2003 e o que isso lhe custou. Se o preço pela manutenção da aliança for dar as costas a Salvador, Porto Alegre e Belo Horizonte, ele dará.

6) Wagner está diante do mesmo dilema e terá que ceder, com ou sem mau-humor. Sem o PMDB sua reeleição vai pras picas. Somadas as mais de 100 prefeituras conquistadas pela trinca PT/PCdoB/PSB com as também mais de 100 do PMDB, o marido da Dona Fátima ficará em Ondina até 2014. Os arranhões de 2008 -já são muitos- deverão ser cuidadosamente tratados. Com cargos e Secretarias responsáveis por orçamentos polpudos. É o preço, fazer o quê?

7) Sobre São Paulo. Tem gente decretando a vitória de Gilberto Kassab como inevitável e estrondosa. Melhor ir devagar, meninos. Tia Marta e o PT não vão entregar de graça a Prefeitura da mais importante cidade do Brasil à aliança DEM-PSDB. Ela vai pro pau, para pôr nu o menino de recados do Governador Serra. Tem experiência, talento e uma gestão que está marcada por toda a cidade. Um quadro político dos mais importantes do país, anos-luz à frente do intelectualmente modesto Kassab. Se apertar ele geme, pode crer, dali não sai uma gôta de inventividade, de originalidade. Vai ser duro mas acho que dá Marta. Ah, ia esquecendo: em 2004, Marta disputou com Serra a prefeitura paulistana. O tucano vinha de uma eleição presidencial em 2002 e dois anos depois seria eleito governador de São Paulo. Ainda assim, o placar foi 54% a 46% para Serra.

8) Tô louco pra ver o Gabeira prefeito da Cidade Maravilhosa. Vai aprender rapidinho rapidinho que acusar é fácil, apontar o dedo é uma moleza, como fez em 2005. Duro mesmo é governar, Fernandinho.

9) Esqueceram de combinar com os russos em BH. E agora?

10) Para os que diziam, como eu, que Lula elege até poste se lhe der na tela, melhor prestar bastante atenção ao que aconteceu em Natal (RN) e Feira de Santana (BA). Como em BH, esqueceram de combinar com os russos. O cara elege sim, SE o candidato-amigo cair nas graças da população. Se não, esquece, vai dar com os burros n'água. Tenho certeza de que agora mesmo tem gente em Brasília preocupada com a opção Dilma Roussef, dura pra cacete no vídeo, já viram?


terça-feira, 7 de outubro de 2008

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

HORA DO SPRINT PETISTA NA ELEIÇÃO DE SALVADOR

O Instituto Datafolha divulgou os números da pesquisa feita em Salvador dias 29 e 30 de setembro, que obviamente contrariam os dados do Ibope. Mas vamos deixar essa história de Ibope pra lá e prestar atenção no que interessa.

Essa foi a sexta pesquisa de intenção de voto realizada pelo Datafolha em Salvador. A primeira delas aconteceu entre os dias 23 e 24 de julho. De lá pra cá, veja só o que aconteceu com cada um dos candidatos que realmente disputam, palmo a palmo, duas das três vagas para o segundo turno soteropolitano:

Pinheiro: de 8% pulou para 13%, depois 16%, 20%, 21% -até chegar aos 22% de agora. Tem o menor índice de rejeição entre os candidatos e conta com a militância do partido. Tem gás para a reta de chegada, portanto.

João Henrique: começou com 19% e caiu para 17%. A partir daí só fez crescer, com 21%, 22%, 23% e 25%. Está se valendo de todas as armas para chegar ao segundo, até pintar coqueiro e asfaltar praia (veja aqui o post do Licuri que repercutiu forte em A Tarde e O Globo).

ACM Neto: Sinhozinho largou com 27%. Andou pelos 26% e 28%. Daí caiu sem parar, para 27%, 26% e 24%. Performance de cavalo paraguaio.

O vigor da candidatura de João Henrique na reta de chegada não deve surpreender. A máquina da prefeitura toda está voltada para sua reeleição, é muita gente investida na condição de soldado para defender seus empregos e contratos. Jogo duro.

A frustração causada pela não-aparição de Lula no programa de Pinheiro está sendo habilmente explorada pelos marqueteiros de JH e Neto. A turma de Ioiozinho, por exemplo, marcou um golaço na TV apontando a edição da imagem de Lula, feita pela equipe de Pinheiro a partir do comicio de sábado, no Farol da Barra., como se o presidente tivesse estado lá. O truquezinho não passou despercebido não, a imprensa já pôs a manobra no ar.

Mais que plantar algum desalento entre seus simpatizantes, o petista perdeu votos importantes e vai ter que suar a camisa para chegar à frente do peemedebista e do coronelzinho.


Esse acordo com o PMDB é uma autêntica piada. O PT não pode explorar a participação de sua principal estrela na campanha mas o PMDB pode explorar sua ausência. É mole?!

Como diz o Zé Simão, é mole mas sobe. O PMDB domina a arte de chantagear governos e impôs um acordo nacional que ata as mãos do PT nas capitais, como em Salvador, onde a parada poderia ter sido definida já no primeiro turno, se Lula tivesse participado da campanha.

Não bastasse isso, Pinheiro não consegue entusiasmar, dada sua natureza tímida e seu sorriso difícil. Vai chegar lá porque não tem jeito, a simbologia de sua eleição é de facílima assimilação pela população. Vai porque tem que ir, é assim. E seja o que deus quiser.